3 países que quero muito visitar


1. Brasil. É sem dúvida o país que mais desejo visitar! Há anos que sonho em lá ir e como a esperança é a última a morrer espero lá ir na minha lua-de-mel. Tudo no Brasil me atrai, desde as praias e a curiosidade em conhecer a Amazónia até ao simples facto de ter o português como língua. Tenho ideia de um povo brasileiro muito alegre e hospitaleiro (isto baseando-me nas pessoas brasileiras com quem já me cruzei na vida). O ideal seria mesmo ir pela altura do Carnaval, quem é que não gostava de um dia pôr os pés no sambódromo e festejar a época carnavalesca como manda a verdadeira tradição?


2. Austrália. A minha curiosidade pela Austrália deve-se à incrível diversidade de animais que por lá existe. Adoro ver animais, adoro horas passadas no meio da natureza mas não vou mentir e dizer que quando penso neste país não penso automaticamente em koalas e cangurus. Tenho um amor especial por estes dois animais. Acho-os muito fofinhos mas tenho noção que esta fofice pode não ser real no que toca aos comportamentos deles. Porém, enquanto não for atacada por nenhum vou continuar a achá-los assim. 


3. Estados Unidos da América. Acho que não conheço ninguém que não queira, um dia, visitar os Estados Unidos. No entanto, tudo quer ir ao mesmo sítio: Nova Iorque. Ora, a mim, não é isso que me motiva. Aliás, a cidade de Nova Iorque atrai-me muito pouco! O que eu quero mesmo é conhecer Los Angeles e Miami. A curiosidade por Los Angeles vem dos filmes e das séries. Se um dia lá estiver vou-me sentir como se tivesse entrado dentro da caixa mágica. Quanto a Miami...eu babo só a ver fotografias! Como amante de praia que sou, um dos meus maiores desejos é visitar as suas praias paradisíacas. Afinal, quem é que não gostava?


Há uma linha que separa...

book, jeans, and bed image

...as pessoas que não suportam ver um risco no livro das que sublinham e escrevem mil e uma notas.

Saúde | Acne

Ontem começou o inicio do fim de algo que me atormenta há imensos anos: o acne. 
Desde o inicio da puberdade que me vejo de mãos dadas com este problema. Consegui ver-me livre dele temporariamente quando a médica de família me pôs a tomar a pílula. Mas como disse, foi apenas temporário. Quando fui viver para França a desgraça voltou mas desta vez muito pior e bastante resistente! As espinhas nunca me tinham deixado cicatrizes mas desta vez não tive a mesma sorte. 

Fiz dois tratamentos e nenhum deles resultou. Confesso que, apesar de não gostar de ter acne (ninguém gosta), nunca senti a minha auto-estima muito afectada por isso até ao momento em que entrei na universidade e só tem vindo a piorar desde aí. E os últimos meses têm tão terríveis que cheguei ao ponto de virar a cara sempre que me cruzava com pessoas na rua ou na universidade. 

"Mas tu nem tens muitas espinhas, há pessoas muito pior que tu!". Esta é a frase mais irritante que ouço em relação a este tema. As pessoas têm de perceber que cada pessoa tem os seus problemas e preocupações e não é por haverem pessoas com problemas maiores que temos de desvalorizar os nossos. Isso está errado. 

A acne é uma doença e muita gente ignora isso. É verdade que não vamos morrer de acne e que a nível físico a única coisa afectada é a estética mas e a nível psicológico? A maioria esquece-se desta parte. Pior do que não ser muito estético é ter o psicológico desfeito em pedaços. Foi isso que aconteceu comigo e me fez procurar ajuda. Chegar aos 21 anos, não ver meio de a acne desaparecer e sentir que sou horrível cada vez que me olho ao espelho ao ponto de chorar tornou-se insustentável para mim. 

Sei que o tratamento é muito forte e que existem vários efeitos colaterais nada agradáveis mas eu estou disposta a tudo para me ver livre deste tormento e voltar a gostar de me olhar ao espelho. Apenas espero conseguir adaptar-me ao tratamento e ter força e paciência o suficiente para o levar até ao fim.

positive, priorities, and self love image