Regra nº1 quando sais à noite: não beber álcool sob o efeito de medicamentos

girl, friends, and night image

Não é novidade para ninguém que não se deve misturar álcool com certos medicamentos. Mesmo assim há sempre quem o faça e hoje vou-vos contar uma experiência na primeira pessoa.
Os efeitos não desejáveis que a mistura de medicamentos com álcool pode desencadear depende sempre do tipo de medicamento mas também, claro está, da quantidade de álcool ingerida. 

Eu estava sob o efeito de um medicamento há uns bons meses. Era noite de jantar de curso. A médica quando me prescreveu a medicação não referiu nada em relação ao consumo de bebidas alcoólicas. Eu sei que na altura li a bula, como faço com todos os medicamentos, mas confesso que não me lembro de falar sobre o álcool. No entanto, eu sabia que ia ter jantar de curso e, como costumo beber pesquisei na internet quais seriam os possíveis efeitos relativamente ao medicamento que estava a tomar caso bebesse álcool. Percebi que o meu medicamento era o mais fraco da ordem dos anti-depressivos mas que ainda assim podia desencadear taquicardia, sonolência, sedação (etc) quando misturado com álcool. Também lá dizia que bebendo, os sintomas da depressão podiam piorar. Vou ser sincera, não me preocupei com os sintomas físicos e achei  que os psicológicos não iriam acontecer uma vez que já estava muuuuuito melhor e numa fase final do tratamento. Enganei-me.

Fui bebendo ao longo do jantar, e sentia-me mais alegre mas nada de especial. Quando me levantei apercebi-me que se calhar não devia ter bebido. Comecei a sentir-me completamente isolada e a pensar que só queria sair dali, que ninguém prestava, que ninguém queria saber de mim... Passado uns bons minutos estava num grupo com mais umas 6 pessoas, ou seja não tinha que me sentir sozinha, mas mesmo assim sentia-me como se fosse a única pessoa no mundo. Sentia-me tão mal que tive que ligar ao meu namorado para me vir buscar porque eu não ia aguentar a noite toda assim.

Mal avistei o carro desatei a chorar. Mas desalmadamente como se alguém me tivesse batido! Andamos um bocado até que ele parou o carro para (tentar) me acalmar, aquilo estava mesmo muito mau porque eu cada vez chorava mais e nem sabia porquê. Trouxe-me a casa e aí, apercebemo-nos que eu tinha deixado as minhas chaves na casa onde ia dormir. Aí foi o fim do mundo. Se já me tinha acalmado ficou tudo pior outra vez e eu não conseguia dizer nada, só chorar. Acabei a dormir na casa dele e a faltar às aulas no dia seguinte.

Na manhã a seguir sentia-me tão envergonhada como nunca na minha vida me tinha sentido. Não sabia sequer como enfrentar os meus próprios amigos, só pedi desculpa. Jurei que nunca mais misturava álcool com medicação e cumpri. Não me orgulho desta situação (não mesmo!) mas já diz o povo que é com os erros que se aprende. E eu aprendi.

E vocês, conhecem alguém que já tenha vivido uma situação parecida?

23 comentários:

  1. Sim, para aprender só mesmo cometendo erros. Eu como não sou muito de beber, não tenho problemas desses, mas uma vez o médico pôs-me a fazer antibiótico em plena semana da Queima. Ora, ele pensou: "É Queima, a miúda vai beber até cair para o lado!". Já eu não vi problema nenhum. Não ia beber e não sentia qualquer problema por causa disso, mas o médico esteve quase a consulta toda a tratar-me como uma adolescente mimada e sempre a dar-me na cabeça para não beber -.-

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sério? Que valente secão!
      Com antibióticos nunca bebo álcool porque sei que pode cortar o efeito e faz mal passar a vida a tomar antibióticos.

      Eliminar
  2. Lamento que tenhas tido essa experiência.
    Infelizmente ainda tomo medicação (um antidepressivo), como tu, e então lendo a bula descobri que n podia beber.
    Confesso que bebi cerveja e sidra diversas vezes no verão, mas foi só uma garrafinha. N senti nada demais. Da primeira vez senti-me com sono, meio dormente. Nas restantes tudo bem. Mas lá está, foi só uma e aquilo tem pouco alcool :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exato, são quantidades pequenas e sendo assim não há problema :)

      Eliminar
  3. Que cena! Mas, bom, é com os erros que aprendemos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, experienciar para aprender :)

      Eliminar
  4. Nunca passei por isso e ainda bem :P
    R.Nem eu, só pesco algumas coisas. No meu caso, foi um outro blogger que me safou a pele :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que sorte! Tenho que arranjar alguém também ahah

      Eliminar
  5. Obrigada pela visita e comentário lá no meu sítio.

    O mesmo se passa com o consumo de outras drogas que julgamos mais inofensivas.
    Há que ter bastante cuidado pois não sabemos os efeitos que poderão vir.

    ResponderEliminar
  6. Não costumo comentar blogues (essencialmente por vergonha) mas desta vez tive de o fazer. Aconteceu-me a mim e foi algo semelhante, ao início estava tudo bem e de repente não conseguia parar de chorar. As pessoas tentavam me acalmar e eu a tentar explicar o que se passava e só chorava e chorava. Nunca mais repeti a brincadeira que nenhuma medicação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afinal parece que não sou a única. Já me sinto um bocadinho menos envergonhada ahah
      Depois deste episódio também nunca mais cometi tal erro e nem penso sequer em fazê-lo!

      P.S: deixa essa vergonha de lado e começa a comentar mais vezes :)
      Beijinhos!

      Eliminar
  7. Já fiquei mais depressiva quando bebi, apenas me aconteceu uma vez e nem tinha tomado medicamentos. Eu quando bebo fico super eletrica e um tanto histérica aahahh
    Agora já aprendeste a lição: nada de misturas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, eu por norma fico super alegre quando bebo mas desta vez foi para esquecer. Aprendi e bem aprendido!

      Eliminar
  8. Conheço sim alguém que já o fez e que sofreu o mesmo que tu - o efeito contrário. Mas também há pessoas que mesmo sem estar sob efeito de medicação não ficam alegres, mas agressivas e imbirrantes.
    Como tudo na vida, o que é descontrolado tem o seu lado negativo :)

    Beijinho, nova seguidora por aqui *
    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário e por seguires. Já vou ver o teu cantinho :)
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Que situação horrível! Não fazia ideia que o álcool pudesse interagir dessa maneira com medicamentos ( sabia que podia interagir, claro, mas nunca pensei que causasse assim tantos sintomas). Mas acontece a todos, o que importa é aprender com os erros :).
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  10. Nunca estive numa situação assim porque sou bastante racional e odeio "confusões" assim. Obrigada pela partilha, acredita que vais alertar muita gente :)
    Adoro o teu blog, já sigo. Beijinhos!

    http://missweetie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiz a partilha por isso mesmo, porque não é uma coisa de que me orgulhe.
      Muito obrigada! Vou ver o teu cantinho :)
      Beijinhos

      Eliminar
  11. R: Agora sinto-me muito bem felizmente :) N serão essas situações a derrubar-me com certeza :)

    Obrigada pelos comentários*

    ResponderEliminar
  12. é com estas experiências que aprendemos, agora sabes que não podes beber, infelizmente ficaste a saber da pior forma. Mas o que importa é que nunca mais vais deixar acontecer :)
    Eu não conheço nenhum caso similar ao teu! Beijinho.

    ResponderEliminar
  13. nunca me aconteceu, mas sem dúvida que deve ser terrível. pensa positivo, tiraste uma lição daí :)

    ResponderEliminar
  14. Na verdade, sim, conheço uma ou duas pessoas que, estando sobre medicação, também beberam um pouquinho, foi atrofiante vê-las desesperar e sentir-se tão mal sem poder fazer grande coisa. Às vezes, ajudar uma pessoa sob o efeito de álcool já é difícil, mas nestas condições torna-se mil vezes pior, pois não sabes exactamente como deves proceder. Eu estava com medo de assustar as pessoas e que elas fizessem algo prejudicial à saúde delas...
    Tem cuidado Rita, não quero que nada te aconteça.

    ResponderEliminar

Sintam-se livres para se expressarem.

Porém, comentários considerados abusivos ou ofensivos não serão publicados.